O que é e como usar o Compressor

Tempo de leitura: 8 minutos

Nesta publicação explico o que é e como usar o Compressor, todos seus parâmetros e exemplifico aplicações e usos, pois muitas vezes ignoramos recursos que temos justamente por não termos ideia de como utilizar

Ou então acabamos vinculando uma ferramenta como aplicação para somente alguns casos, deixando de aproveitar de vários outros modos criativos.

Foi pensando nisto que escrevi primeiro o texto Controles de dinâmica – Deixe as ferramentas trabalharem.

Neste texto, vamos dar uma olhada mais de perto sobre os princípios que regem este processamento de dinâmica.

Agora vou falar mais especificamente da Compression (tratando aqui unicamente como Compressor).

Origens do Compressor

Lendo vários textos de vários livros, posso dizer que originalmente esta ferramenta foi criada para ajudar a segurar os picos dos sinais nas gravações e somente depois começaram a ser usados no Ao Vivo.

Um Compressor bem ajustado pode ser uma das ferramentas mais úteis para o processamento de um sistema, para uma peça individual de um instrumento, para um grupos de mixagem, para uma via de auxiliar ou também para finalização (master).

Tudo depende do seu domínio sobre a ferramenta, que poderá até usá-lo para equalizar o sinal.

Como o Compressor funciona

O primeiro passo é entendermos que os processadores de dinâmica são baseados em volume. Ou seja, modificam a amplitude de sinal baseado no nível de volume monitorado.

Também precisamos entender que se a fonte sonora for modificada ou existir alguma modificação no sinal antes da monitoração do processador, o resultado poderá deixar de ser satisfatório.

Muito comum existir esta diferença quando é substituído o cantor, músico, instrumento, captação, ganho, equalizador, outros processamentos e etc.

A ideia de Compressor é justamente a qual ela se refere, seja reprimir, refrear, achatar e vários outros sinônimos no sentido de reduzir o volume.

O conceito essencial deste processo é que um Compressor reduz o volume de um sinal quando este excede o nível determinado, obedecendo a uma taxa de redução e outros parâmetros que podem ser modificados.

Exemplos de uso do compressor

Em meios práticos, este processador nos ajuda a segurar excessos que ultrapassem um ponto definido.

No processamento de um sistema, aplicar esta dinâmica de compressão nas saídas ajuda muito amortecer os picos que são levados aos transdutores.

Dependendo da situação, utilizar compressor em via auxiliar, principalmente para cantor, pode ser bem vindo.

Imagina um cantor problemático, que não sabe definir o que deseja, reclama de faltar voz na sua via de auxiliar e também reclama de faltar os demais instrumentos. Um Compressor aplicado nesta via de auxiliar pode resolver seu problema.

Você coloca o nível dos instrumentos abaixo do ponto onde iniciará a compressão e a voz acima deste ponto na mixagem da via, assim toda vez que ele cantar todo o sinal da via será reduzido, fazendo com que o cantor tenha sensação de escutar mais sua voz, quando este para de cantar, o nível do sinal volta pra onde estava e automaticamente o cantor volta a perceber mais presença dos instrumentos.

Casos de sucesso

Já vi casos de sucesso onde um Compressor bem aplicado, no canal do Segunda Voz de uma dupla, monitorando (SideChain) o sinal do canal da Primeira Voz, fazia com que as vozes durante as musicas se encaixassem na proporção certa.

Ou seja, sempre que o Primeira Voz estava cantando, o volume do Segunda Voz era reduzido, mas quando este Segunda Voz fazia alguma interação nos intervalos entre as músicas, o volume de voz dele voltava a ser destaque.

Muitas vezes, temos excesso que são gerados por parte de músicos, cantores, locutores, preletores e vários outros, justamente pelo calor da apresentação.

É uma pegada mais forte, a aproximação do microfone ou até mesmo gritos podem ter seus picos segurados com compressor sem apagar a emoção do momento.

Tem vários outros modos de utilizar e se beneficiar com o Compressor, vai depender muito da sua familiarização com a ferramenta.

Parâmetros do Compressor

Em resumo, os Compressores ajudam muito, mas dependem também de estarem bem regulados, caso contrário vão arruinar o resultado desejado, por isto, vou explicar como funcionam vários parâmetros desta ferramenta.

Gráfico demonstrando o processo de Attack para redução do sinal e Release para liberação do sinal.
Gráfico demonstrando o processo de Attack para redução do sinal e Release para liberação do sinal.

Threshold

É neste parâmetro que definimos o ponto de analise do sinal, acima ou abaixo deste que serão executadas as próximas ações do Compressor.

Para aplicar é simples, você verifica o nível de sinal que esta entrando na ferramenta e define o valor para qual deseja que seja executado o Attack na proporção de Ratio.

Peak/RMS

É neste parâmetro que definimos se o Compressor efetuará seu processo baseado na analise do sinal em método Pico ou RMS.

Compressão baseada em Pico faz a medição dos valores imediatos, já baseado em RMS geram a média de sinais antes do comparativo com a definição para o Threshold.

Ratio

É neste parâmetro que definimos o quanto desejamos que o Compressor reduza o sinal de forma que a razão seja baseada em proporção.

Uma relação 1:1 indica que uma porção do sinal que entra, sairá uma porção, ou seja, como se a redução do sinal não exista.

Já na relação 2:1 indica que duas porções de sinal que entrar, sairá uma porção, ou seja, a metade do sinal que superar o ponto do Threshold poderá passar.

Gráfico demonstrando a Razão de Proporção do sinal durante a redução do sinal.
Gráfico demonstrando a Razão de Proporção do sinal durante a redução do sinal.

O mesmo para 4:1, onde quatro porções do sinal que entrar, irá sair uma porção, ou seja, um quarto do sinal que ultrapassar a definição poderá passar.

Em proporções maiores, exemplo acima de 10:1, já pode considerar o Compressor estar trabalhando como um Limiter.

Knee

É neste parâmetro que definimos a velocidade da taxa de compressão do sinal à medida que este chega próximo ao ponto do Threshold.

Quanto mais distante de zero (Soft), mais suave será a transição, pois a compressão será iniciada antes de superar o ponto do Threshold.

Quanto mais próximo de zero (Hard), mais brusca poderá ser a transição.

Gráfico com a curva de suavização do compressor
Hard é próximo de zero e Soft é distante de zero.

Attack

É neste parâmetro que definimos o quanto de tempo o Compressor irá demorar em reduzir o sinal após ultrapassar o valor definido no Threshold.

Uma definição rápida, ou menor valor, faz com que o sinal seja reduzido imediatamente, este resultado pode ser desconfortável dependendo da aplicação.

Hold

É neste parâmetro que definimos o quanto de tempo o Compressor permanecerá aberto quando o sinal ficar reduzido abaixo do valor definido no Threshold.

Em muitos Compressores não é possível a edição deste parâmetro vindo com um valor fixo de fábrica, neste caso, é preciso verificar nas especificações do produto qual o valor predefinido.

Release/Decay

É neste parâmetro que definimos o quanto de tempo o Compressor vai demorar (após a conclusão do tempo do Hold) fechando completamente o sinal baseado no tamanho do Range.

Assim como Hold, um tempo muito curto pode estragar a sonoridade do sinal, um tempo muito longo pode deixar passar algum som indesejado (um sinal menor ser comprimido quando o processo de Hold ou Release ainda não tenha sido finalizado).

Gain (MakeUp/Compensation)

É neste parâmetro que definimos o quanto de ganho queremos compensar no sinal devido à redução aplicada pelo Compressor, corrigindo a diferença entre o volume do sinal de entrada e saída do processador.

Filter

É neste parâmetro que definimos em qual faixa de frequência do sinal o Compressor estará monitorando.

Ainda que seja uma faixa de frequência reduzida de monitoração, o processamento do dinâmico é efetuado em toda faixa de frequência do sinal.

Caso queira entender mais, veja Filtros dos Dinâmicos.

Cue/Monitor

É habilitando este parâmetro que podemos ouvir somente a faixa de filtro aplicada, possibilitando uma aplicação mais detalhada ao regular o filtro de frequências.

Atenção: Na maioria dos equipamentos, esta monitoração é feita pelos fones, ou saídas de monitor, porém, em alguns, o som principal pode ser desabilitado, saindo somente o som filtrado.

SideChain/Source

É neste parâmetro que definimos de onde partirá o recurso do sinal que será monitorado, podendo receber o sinal antes ou depois do equalizador paramétrico ou então receber o sinal de outros canais ou fontes.

Gostou? Então deixa um comentário, ele é muito importante para que eu possa fazer melhor nos próximos textos. Ahhh!!!! Aproveita e compartilha nos botões das redes sociais no começo desta publicação.

Comente com sua conta do Facebook:

Comentários:

  • Pingback: ()

  • Juliano Gondim

    Obrigado. Muito boa a forma de explicar.

  • Fernando

    Muito bom Tiago. Parabéns pela iniciativa.

  • Peixe tecnica H&R Humberto e ronaldo

    Aí sim estás boas esplicaçoes traz bastante confiança ao proficional o compressor e outras ferramentas á mais mas mix

  • Robson oliver

    muito bom!

  • nenen som

    Tiago Borges parabéns pela dedicação e belos artigos que vc vem mostrando,para aqueles que aqui se interessam pelo ramo de audio,lembro quando estava iniciando no ramo de áudio profissional descobri esse parâmetros sozinho,pois não tinha acesso a esses artigos,nem tao pouco a internet peguei um compressor da marca staner,pois era o mais popular da época,pluguei um microfone e fui mexendo em cada parâmetro e prestando a atenção na mudança do som,foi assim que aprendi,sobre a maioria dos parâmetros Áudio que sei até hoje,mais uma vez parabéns pela explicação,que aborda tanto linguagem cientifica,quanto a popular.

  • axcio chocolate

    massa de mais a explicação gostei quanto mais agente aprender melhor

    • Daniel

      Muito legal a iniciativa, mas na meu entender creio que se deixar o release/decay muito longo ele pode segurar um som desejado ao invés de deixar passar um som indesejado. No gate sim ele pode deixar passar… To certo??

      • Tiago.Borges

        Imagina você querer segurar o pico de uma batida na caixa por exemplo, ou o grito de um interlocutor, acontece que manter o release longo, isto indica que vai demorar para liberar o sinal totalmente, com isto, os proximos sinais ainda estarão dentro da gama reduzida, sendo assim, estes proximos sinais estarão com sinal reduzido mesmo nao superando o limiar (Threshold), assim, isto pode ser indesejado.

  • Wilames

    Tiago , só queria entender melhor o lance do compressor no monitor, quando você diz, que deixar o nível da banda abaixo do threshold, e a voz acima, isso com atack lento e o realease mediano?

    Grato.

    E parabéns pelos seus artigos, aprendo cada dia mais.

    • Tiago.Borges

      Ao contrário, o attack nao pode ser lento, se nao a voz entra e a banda ainda vai estar alta, tambem não pode ter release lento, pq se nao a banda demora a voltar nos solos.

  • Pingback: ()

  • José Hilton Pereira

    Parabéns Tiago, você está fazendo o mesmo que ouvi de um grande profissional, Sr. Vitório Massoni. O que fiz na vida se levar comigo tudo que aprendi nela?

  • Tonnynho Vieira

    Olá Tiago, boa tarde! Gostaria de ter de vc uma orientação para configurar o compressor da behringer. preciso da dica de uma configuração para comprimir o sinal master, e outra pra a compressão da voz (pra ficar com o resultado de o cara falar baixo ou alto e o volume se manter no mesmo nível). Me ajuda aí por favor!!!

    • Tiago.Borges

      Qual compressor?

  • Welington

    Muito bom, posta um de effect

  • Cezar

    Excelentíssima explicação meu caro, meus parabéns por compartilhar um conhecimento que para muitos soa um pouco complexa.

  • Lucas

    Ótima a explicação valeu !

  • elias da silva junior

    boa tiago, muito boa explicação mesmo! tirou muitas dúvidas minhas.

  • Alexander Bretas de Amorim

    Show de bola. Nota 8,5. Mais interessante seria se você postasse um vídeo mostrando, na prática, o que descreveu aqui. Ai eu te daria nota 15. ?

  • Caio Sampaio

    Tiago,

    Para bateria por exemplo a caixa, é interessante deixar o atack em 0?

    • Jose carlos inocencio

      Tiago….valeu cara muito bom bem do seu ponto de vista qual o compressor que eu deveria usar no meu Pa eu tenho hum Beringer Multigate Pro XR4400 e hum JBL..M644.

    • Sim

  • Bismark Franco

    Muito boa a didática e clareza Tiago! Parabéns pelo canal e prestatividade pública a respeito do assunto.

    • Fabiano Heringer

      Olá Tiago, parabens pelo seu site, uma iniciativa muito legal! Me tira uma dúvida, eu gostaria de aplicar o compressor somente em um auxiliar, tenho uma 01v96, como poderia fazer isso? Abraços

  • Atilio

    Bom dia!!!!
    Tiago, muito legal e util estas suas explicações. Grato. Olha, agora que estou iniciando os entendimentos de equalização. Tenho uma teclado KORG PA900 e ele possui o vocalist da TC-HELICON. Tenho dificuldades para chegar a um bom resultado no que se refere ao compressor.
    Voce pode me orientar aolgo sobre?
    obrigado

    • Resultados sempre são subjetivos. Às vezes, o bom pra um, não é pra outro. Precisa me falar o que quer alcançar

  • Ricardo

    Obrigado pela explicação, muito boa.

  • Thiago Figueiredo

    Boa noite Tiago, qual dica de parametros para comprimir baixos? Abraços

  • jozeias fernandes (Joz3d)

    Muito bom

  • jozeias fernandes (Joz3d)

    Muito bom

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()