O que é e como usar o Limiter

Tempo de leitura: 7 minutos

Nesta publicação explico o que é e como usar o Limiter, todos seus parâmetros e exemplifico aplicações e usos, pois muitas vezes ignoramos recursos que temos justamente por não termos ideia de como utilizar.

Ou então acabamos vinculando uma ferramenta como aplicação para somente alguns casos, deixando de aproveitar de vários outros modos criativos.

Foi pensando nisto que escrevi primeiro o texto Controles de dinâmica – Deixe as ferramentas trabalharem. Neste texto, vamos dar uma olhada mais de perto sobre os princípios que regem este processamento de dinâmica.

Agora vou falar mais especificamente do Limiter.

Quando bem ajustado, pode ser uma das ferramentas mais úteis para a segurança dos componentes do seu sistema, contudo, não pense que ele será o santo protetor do sistema, já que até ele também tem limitações ao quanto suporta.

Para saber mais sobre o uso nos sistemas, veja a publicação o que é e como limitar o PA para iniciantes.

Como o Limiter funciona

O primeiro passo é entendermos que os processadores de dinâmica são baseados em volume. Ou seja, modificam a amplitude de sinal baseado no nível de volume monitorado.

Também precisamos entender que se a fonte sonora for modificada ou existir alguma modificação no sinal antes da monitoração do processador, o resultado poderá deixar de ser satisfatório.

Muito comum existir esta diferença quando é substituído o cantor, músico, instrumento, captação, ganho, equalizador, outros processamentos e etc.

A ideia de Limiter é justamente a qual ela se refere, ou seja limitar, segurar, restringir e vários outros sinônimos no sentido de travar o volume a uma proporção.

Se conceito essencial de um Compressor é reduz o volume de um sinal quando este excede o nível determinado, obedecendo a uma taxa de redução e outros parâmetros que podem ser modificados, o do Limiter é similar, mas a taxa de proporção é muito mais bruscas, ou seja, a partir do limiar, o sinal sempre será reduzido efetivamente para este nível.

Diferença entre o Limiter e o Compressor

Imagina você com duas fitas, uma elástica e outra não, a elástica podemos exemplificar como o Compressor e a outra como Limiter. Se cortarmos as duas com o mesmo tamanho, este ponto seria o Limiar (Threshold), digamos em 30 centímetros.

Agora aplicamos em cada uma das duas os mesmos movimentos segurando nas pontas e trazendo as pontas pro meio e depois levando pra fora em movimentos repetidos, como se estivéssemos imitando sinal entrando no processador de dinâmica.

Enquanto com movimentos menores que 30 cm, ficamos dentro da faixa abaixo o Limiar (ponto definido de corte da fita), ou seja, não temos influencia de compressão ou limitação no sinal, mas ao superar a medida de corte (Limiar) de cada fita, acontecem resultados diferentes entre elas.

Enquanto a elástica (que representa o Compressor) deixa ser esticada um pouco a mais que o ponto de corte, a outra (que representa o Limiter) é mais brusca e segura efetivamente no ponto definido (30 cm).

Gráfico do limiter com limiar das fitas
Limiar do corte das fitas

No estúdio, é muito comum a utilização deste processamento na masterização, mantendo todo sinal mixado abaixo do ponto limite antes da distorção. Muitas vezes esta aplicação de forma desastrosa pode causar a sensação de achatamento do sinal.

Gráfico mostrando o comportamento do limiter
Comportamento do limiter

Parâmetros do Limiter

Threshold

É neste parâmetro que definimos o ponto de analise do sinal, acima ou abaixo deste que serão executadas as próximas ações do Limiter. Para aplicar é simples, você verifica o nível de sinal que esta entrando na ferramenta e define o valor para qual deseja que seja executado o Attack na proporção de Ratio.

Peak/RMS

É neste parâmetro que definimos se o Limiter efetuará seu processo baseado na analise do sinal em método Pico ou RMS.

Limiter baseado em Pico faz a medição dos valores imediatos, já baseado em RMS geram a média de sinais antes do comparativo com a definição para o Threshold.

Ratio

É neste parâmetro que definimos o quanto desejamos que o Limiter segure o sinal de forma que a razão seja baseada em proporção.

Em infinito:1 (∞:1), significa que qualquer razão de sinal que entre, passará somente uma 1 medida. Como se o sinal fosse dividido por infinito e uma parte deste somente passará.

Gráfico demonstrando a Razão de Proporção do sinal durante a redução do sinal.
Gráfico demonstrando a Razão de Proporção do sinal durante a redução do sinal.

Em proporções menores, exemplo baixo de 10:1, já pode considerar o Limiter estar trabalhando como um Compressor. Uma razão 1:1 indica que nada será efetuado no sinal.

Knee

É neste parâmetro que definimos a velocidade da taxa de compressão do sinal à medida que este chega próximo ao ponto do Threshold, quanto mais distante de zero (Soft), mais suave será a transição, pois a compressão será iniciada antes de superar o ponto do Threshold.

Quanto mais próximo de zero (Hard), mais brusca poderá ser a transição.

Hard é próximo de zero e Soft é distante de zero.
Brusco (hard) é próximo de zero e suave (soft) é distante de zero.

Attack

É neste parâmetro que definimos o quanto de tempo o Limiter irá demorar em reduzir o sinal após ultrapassar o valor definido no Threshold.

Uma definição rápida, ou menor valor, faz com que o sinal seja reduzido imediatamente, este resultado pode ser desconfortável dependendo da aplicação.

Hold

É neste parâmetro que definimos o quanto de tempo o Limiter permanecerá aberto quando o sinal ficar reduzido abaixo do valor definido no Threshold.

Em muitos Limiters não é possível a edição deste parâmetro vindo com um valor fixo de fábrica, neste caso, é preciso verificar nas especificações do produto qual o valor predefinido.

Release/Decay

É neste parâmetro que definimos o quanto de tempo o Limiter vai demorar (após a conclusão do tempo do Hold) fechando completamente o sinal baseado no tamanho do Range.

Assim como Hold, um tempo muito curto pode estragar a sonoridade do sinal, um tempo muito longo pode deixar passar algum som indesejado (um sinal menor ser limitado quando o processo de Hold ou Release ainda não tenha sido finalizado).

Gain (MakeUp/Compensation)

É neste parâmetro que definimos o quanto de ganho queremos compensar no sinal devido à redução aplicada pelo Limiter, corrigindo a diferença entre o volume do sinal de entrada e saída do processador.

Filter

É neste parâmetro que definimos em qual faixa de frequência do sinal o Limiter estará monitorando.

Ainda que seja uma faixa de frequência reduzida de monitoração, o processamento do dinâmico é efetuado em toda faixa de frequência do sinal. Caso queira entender mais, veja Filtros dos Dinâmicos.

Cue/Monitor

É habilitando este parâmetro que podemos ouvir somente a faixa de filtro aplicada para uma aplicação mais detalhada ao regular o filtro de frequências.

Atenção: Na maioria dos equipamentos, esta monitoração é feita pelos fones, ou saídas de monitor, porém, em alguns, o som principal pode ser desabilitado, saindo somente o som filtrado.

SideChain/Source

É neste parâmetro que definimos de onde partirá o recurso do sinal que será monitorado, podendo receber o sinal antes ou depois do equalizador paramétrico, ou então, receber o sinal de outros canais ou fontes.

Gostou? Então deixa um comentário, ele é muito importante para que eu possa fazer melhor nos próximos textos. Ahhh!!!! Aproveita e compartilha nos botões das redes sociais no começo desta publicação.

Comente com sua conta do Facebook:

Comentários: